E a cerveja? Está liberada? (por Silvia Lobo)

Durante festas e comemorações, é sempre comum a ingestão de bebida alcoólica. A tradicional cervejinha é sempre a mais pedida, uma boa forma de refrescar e comemorar. Entretanto, exagerar na dose pode debilitar o organismo e acabar a festa mais cedo para algumas pessoas.

Apesar do baixo teor alcoólico (entre 3% e 8%), a cerveja também atua no sistema nervoso, comprometendo uma série de funções motoras e cognitivas. Entre os efeitos conhecidos, estão o aumento do tempo de reação e a piora da coordenação motora. Além disso, a bebida é fermentada e quando consumida em excesso leva à formação de gases com consequente distensão abdominal, o que origina a tão odiada “barriguinha de chope”.

Outro perigo é a perda de líquidos e a dificuldade gerada pelo álcool na absorção das vitaminas. Ingerida em grande quantidade, a cerveja provoca uma reação inversa no corpo. A presença do álcool no organismo favorece a desidratação. O ideal é intercalar o consumo de bebidas alcoólicas com muita água. Cuidado com a quantidade: muito álcool pode induzir à impotência, infertilidade e perda de funções características masculinas.

No entanto, nem só de malefícios vive a cerveja. Se consumida em quantidades moderadas, a bebida tem ação diurética e relaxante, pode reduzir a probabilidade de infarto e diminuir o risco de desenvolvimento do diabetes tipo 2. Beber muito, ao contrário, aumenta os níveis de glicose no sangue e contribui para a doença.

Outro benefício da cerveja é que a presença de álcool na circulação aumenta o tempo de coagulação do sangue, dificultando a formação de trombos nas artérias coronárias. Mas cuidado: a ingestão de grandes quantidades de álcool reverte essa relação. Então, tem que ficar atento aos riscos e não exagerar. E se beber, não dirija!

Compartilhe

Mais em Notícias

0 Comentários

Deixe o seu comentário!