Entrevistas

Foto: Diego Nóbrega

“Sou nordestino. Falo ‘Ólinda’ e não ‘Ôlinda'”

Ao comemorar 40 anos como repórter da Globo, Francisco José, 71 anos, coleciona feitos como ter descoberto o Escândalo da Mandioca, ter realizado reportagens com os maiores índices de audiência no Globo Repórter e ficar 40 dias vivendo como índio numa aldeia. Nesta entrevista ele conta sua trajetória como jornalista, que teve momentos hilários como o início do seu trabalho na TV. Você nasceu no Crato e quando veio para o Recife? Meu pai morreu quando eu tinha 7 anos de idade . Ele era um coronelzão do Sertão, era o Chico de Brito, tinha muitos filhos. Há muita história de cordel sobre ele. Minha mãe se casou com um senhor daqui do Recife três anos depois e me mudei para cá e fiquei até hoje. Cheguei aqui com 11 anos e estou com 71. Então sua infância foi mais no Recife? Foi. Primeiro viemos morar no bairro das Graças,…

Compartilhe

Foto: Juarez Ventura

“Sou casado com o Carnaval de Olinda”

Ele já produziu mais de mil bonecos gigantes que se tornaram ícones do Carnaval de Olinda. Nesta conversa com a Algomais, Sílvio Botelho conta sobre sua trajetória na folia olindense e como suas produções ultrapassaram as ladeiras da cidade e hoje participam de eventos tão diversos como congressos, casamentos e até enterros. Como foi sua infância em Olinda? Nasci no bairro do Amparo. Vivi uma infância de família humilde. Meu pai era comerciante, minha mãe tinha vida doméstica, cuidava dos filhos. Mas chegamos a fazer o segundo grau completo, fiz alguns cursos técnicos, não passei no vestibular para medicina - eu queria ser médico - mas fiz cursos de laboratórios clínicos que poderiam me dar sustentação na área de saúde. De repente, descobri que eu desenhava bonitinho. O Carnaval sempre me fascinou e eu pequeno, nos anos 60, na Dantas Barreto, vi o Homem da Meia Noite passando num carro…

Compartilhe

Foto: Juarez Ventura

“Sou um radical de centro”

Há cinco anos sem exercer cargo público, Joaquim Francisco, hoje atua como advogado. Mas não abandonou a política. Participa de debates sobre o cenário político em rádios pernambucanas e alega não estar totalmente descartada uma candidatura em 2018. Nesta entrevista, ele fala de como se dedica a hobbies como a música e comenta fatos dos quais participou e que marcaram a história recente do País. Como foi sua infância? Nasci no Recife, onde vivi a infância, com fins de semana no interior. Meu pai tinha propriedade rural em Macaparana, Mata Norte. Quando eu tinha 12 anos ele arrendou uma propriedade de João Santos, em Goiana, aí passei anos indo para lá. Minha vida sempre foi urbana e rural. Hoje tenho um sítio pequeno, de dois hectares, em Gravatá. Tenho uma vaca, um garrote e dois cavalos. O segundo lazer é a música, toco de ouvido, mau, e faço aula de…

Compartilhe

As histórias de Marieta Borges

Marieta Borges é historiadora, escritora e professora. Por décadas desbravou a história de Fernando de Noronha, que resultou na grande obra da sua vida. É também poetisa e tem vocação para percussionista. Nesta entrevista à Algomais, ela fala sobre suas origens, produções e sua luta contra o câncer. Já venceu a batalha contra dois tumores. Hoje enfrenta o terceiro. Mas a julgar pelo vigor demonstrado nesta conversa - que terminou com uma "canja" da pesquisadora, tamborilando na mesa da sua sala um frevo em homenagem ao arquipélago - certamente ganhará mais esse combate. [embed]https://youtu.be/0jXA_wF9GLQ[/embed]   “Como a história de Noronha ficou escondida!”   Você nasceu aqui no Recife? Sim, na Rua da Concórdia, a rua do Galo da Madrugada. Meu pai tinha uma fábrica de placas. Foi ele quem trouxe a produção de placas para carro para o Brasil. Ele era português. A produção acabou quando ele morreu. Morávamos em…

Compartilhe

Foto: Reprodução | Jorge José - Pioneiro da TV e personagem do rádio em Pernambuco

A internet não vai acabar com outros veículos

Entrevista a Camila Moura e Cláudia Santos   Jorge José Pioneiro da TV e personagem do rádio em Pernambuco fala de sua trajetória na comunicação Uma verdadeira enciclopédia  do rádio e TV pernambucanos, Jorge José Santana trabalhou ainda garoto nos estúdios radiofônicos e integrou a primeira equipe que atuou na televisão no Estado. Nesta conversa com Algomais ele fala  dessa trajetória e da sua vida como escritor. Como foi a infância no Recife? Quando garoto, brincava na praça de Casa Forte, depois eu fui morar em Apipucos, depois Dois Irmãos. Morei num sítio enorme ao lado da casa de Gilberto Freyre.  Ficava vendo Fernando Freyre e Sonia Freyre andado de patins. Como  eu era pobre, não tinha dinheiro para comprar patins, pelo menos eu ficava lá olhando, me divertindo. Às vezes, eu me acordava cedinho para apanhar as mangas que caiam no meu quintal  e vendia a 10 centavos. Era…

Compartilhe

Foto: Reprodução | Fernando Coelho - Advogado

Na política há os idealistas e os carreiristas

Entrevista a Cláudia santos e Rafael Dantas   Advogado fala sobre sua atuação na ditadura e à frente da Comissão da Verdade Ele foi personagem ativo da política brasileira nos últimos 60 anos. Nesta conversa com a Algomais, o advogado Fernando Coelho conta como foi sua trajetória na luta pelas liberdades democráticas.   Como o senhor chegou ao Recife? Sou paraibano, de Campina Grande, meu pai era funcionário federal. Quando eu tinha 6 anos, ele foi transferido para Minas Gerais. De lá veio para o Recife. Hoje tenho título de cidadão pernambucano, eu praticamente me criei aqui. Estudei no Colégio Nóbrega e na Faculdade de Direito. Tive a satisfação de ser eleito deputado federal por Pernambuco, sendo o mais votado em seis zonas do Recife e na  RMR. E fui ainda candidato a vice-governador. Por que a política o atraiu? Sempre acompanhei com interesse a política desde menino. Ainda como…

Compartilhe

Foto: Reprodução | Wanja Campos - Embaixadora de Bangladesh

É bom conhecer outras formas de ver o mundo

Entrevista a Camila Moura e Rafael Dantas   Embaixadora de Bangladesh fala da carreira e da experiência de vivenciar outras culturas Única pernambucana a ocupar o cargo de embaixadora, Wanja Campos, foi morar em Brasília quando ainda era criança, mas os laços com a terra natal nunca desapareceram. Desde que foi aprovada no concurso do Instituto Rio Branco, já passou por 10 países. A mudança mais recente ocorreu, em 2013, quando assumiu, em Bangladesh, o tão almejado posto de chefia das missões diplomáticas. De passagem no Recife, falou a Algomais, fez um balanço de sua carreira e revelou as curiosidades dos bastidores da vida dedicada à diplomacia. Qual sua relação com o Recife? Minhas origens são recifenses. Nasci no Recife e as recordações daqui estão presentes na minha memória. As minhas primeiras lembranças de infância são da casa da minha avó, no Espinheiro, com quintal, mangueira, carambola, pular cerca para…

Compartilhe

contato

Os campos acima em destaque são necessários