Entrevistas

Foto: Tom Cabral

Meus textos são gritos

Escritor sertanejo, radicado em São Paulos, Marcelino Freire é dono de um texto forte e enxuto, que tem sido reverenciado pelo público e crítica. Em 2006 ganhou o Prêmio Jabuti com Contos Negreiros. Na entrevista concedida a Cláudia Santos e Rafael Dantas, regada a risos e reflexões, ele fala sobre sua trajetória e critica a glamourização da literatura. Como foi sua infância no Sertão? Sou de Sertânia. Tem 26 anos que moro em São Paulo. Recentemente comecei a pensar de novo na saída da minha família do Sertão de Pernambuco para ir morar em Paulo Afonso, na Bahia. Quase me torno cidadão baiano. Quando eu tinha 8 anos de idade a família veio para o Recife. Minha mãe teve 14 gestações. Dessas, 9 vingaram e eu sou o caçula. Essas mudanças foram motivadas por trabalho? Foi a procura por melhores condições. Agora vocês viram que Sertânia foi manchete nacional, em…

Compartilhe

Inovação precisa de problema

Falante e entusiasmado, o presidente do C.E.S.A.R. e do Conselho da Amcham-Recife Sérgio Cavalcante não se restringiu nesta entrevista a Cláudia Santos e Rafael Dantas a fazer comentários sobre o mundo digital. Ele opinou a respeito de soluções urbanas para o Bairro do Recife, criticou o modelo do ensino médio e a passividade do brasileiro na identificação e resolução de problemas. O mercado de TI resistiu à crise? O setor tem uma vantagem: mesmo com a crise, ele resolve deficiências das empresas que desejam aumentar sua automatização, melhorar seus processos e sua produtividade através da informática. É normal que não deixem de investir em TI. O setor também acessa o mercado internacional melhor do que outras áreas. O fato do dólar ter subido muito facilita a exportação de produtos, softwares e serviços. Mas é claro que a crise nos atingiu. No caso do C.E.S.A.R., a gente não diminuiu o faturamento,…

Compartilhe

Tom Cabral / Algomais

Nossa música deveria ser valorizada

Autor de sucessos como Confidência, Jorge de Altinho conta, nesta entrevista a Cláudia Santos, como passou de fã da Jovem Guarda para artista de música regional. Também fala sobre o forró estilizado e a estratégia que construiu para sua música tocar nas rádios FMs. Você é Jorge de Altinho, mas nasceu em Olinda? Sim, mas aos 5 anos meus pais se mudaram para Altinho. Meu pai abriu uma mercearia por volta de 1956. Toda a minha infância e adolescência foi na cidade. Era uma infância maravilhosa, como não existia essa degradação da natureza, nem o aquecimento global, costumo dizer que os invernos eram certos, chovia muito, a gente brincava de fazer açudes nas ruas. Tomávamos banho nos rios Una e Taquara. A gente chegava da escola e ia pescar e tomar banho. Quando tinha lá pelos meus 15 anos eu tinha o hábito de copiar minhas matérias escola ouvindo rádio…

Compartilhe

Piera Lobo

“Mudamos a realidade de mulheres”

Segundo a Secretaria de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher de Itambé, o município tem um dos menores índices desse tipo de violência, porque 70% da população feminina conseguiu independência financeira. Uma das principais responsáveis por essa situação é a fábrica de confecção das marcas MM Special e Marie Mercié, fundada por Mércia Moura em pleno canavial. Nesta entrevista a Cláudia Santos, a empresária conta como driblou a cultura patriarcal da cana-de-açúcar e ergueu uma indústria que produz 32 mil peças por mês, cresceu 9% em plena crise e deu perspectivas para mulheres e crianças. Como foi a sua infância no campo? Minha família é da região de Timbaúba, São Vicente, Macaparana, na Zona da Mata Norte. Nasci no Recife, mas morava no engenho que era de meu pai. Antigamente quem era do interior tinha o costume de ter filho na capital. Mais tarde, voltei ao Recife para estudar. Sou…

Compartilhe

Rivaldo Neto

O interior demarcou minha formação

A paixão pela sétima arte sempre permeou a vida de Camilo Cavalcante. Quando morava no Rio de Janeiro, aos 10 anos, ele a pegava um ônibus sozinho com intuito de assitir uma sessão de cinema. Para acalmar a aflição da mãe, o garoto ligava dos orelhões de ficha informando que chegara são e salvo. A paixão tornou-se ofício e hoje ele é um cineasta premiado. Nesta conversa com Cláudia Santos e Rafael Dantas, Camilo lamenta o fechamento das salas de exibição no País, fala da sua infância vivida em várias cidades do interior e de planos futuros. Como foi sua infância? Nasci no Recife, meus pais eram médicos da saúde pública e eram transferidos com frequência. Começaram a carreira no interior do Piauí em Butiri dos Lopes. Moramos depois em Floriano, onde fui alfabetizado, depois tivemos uma passagem em São Paulo, quando meus pais foram fazer uma especialização, em seguida…

Compartilhe

Piera Lobo/Algomais

Virei escritor por causa da revolução

O romance A Noiva da Revolução tem sido responsável por tornar mais conhecido do público o movimento de 1817. Nesta entrevista, o autor da obra, Paulo Santos, comenta como concebeu o livro, analisa porque essa parte da história do País foi “deletada da memória nacional” e fala sobre seus projetos futuros. Como você começou no jornalismo? Eu havia entrado num curso de geologia e descobri que não tinha vocação.  Chegou um momento em que larguei tudo e resolvi trabalhar. Comecei como cartunista no jornal, aos 19 anos. Depois, passei dois anos em São Paulo. Voltei para o Recife, trabalhei no Jornal do Commercio, como cartunista, mas fazia reportagem eventualmente. Fui correspondente da imprensa alternativa, nos jornais Movimento e Em Tempo, nos anos 70. Nos anos 80, ajudei a fundar a ONG Equipe de Comunicação Sindical. Passei uma década trabalhando com sindicatos e associações de bairros. Nos anos 90,  me apaixonei…

Compartilhe

Piera Lobo/Algomais

Componho o que ouço do povo

Se você é um folião certamente já brincou ao som de um frevo composto por J. Michiles. Nascido José Michiles da Silva, o autor de Bom Demais, Me segura senão eu caio e Diabo Louro fala nesta entrevista da sua trajetória musical, que curiosamente começou criando uma versão dos Beatles para o grupo Golden Boys. Você sempre viveu no bairro de Campo Grande? Sou recifense e sempre morei em Campo Grande e arredores (Arruda, Água Fria, Sítio Novo). Quando menino ouvia no rádio os grande autores pernambucanos, como Levino Ferreira, Zumba, Capiba, Nelson Ferreira. Também ouvia Jackson do Pandeiro, Ari Lobo, Luiz Gonzaga. Desde cedo que eu me abri para essa imagem que é a música pernambucana. E já escrevia paródias. Você é sobrinho do cantor Orlando Dias, ele também o influenciou? Ele foi intérprete de grandes sucessos nos anos 60. Cantor romântico. A mãe dele minha avó já cantava,…

Compartilhe

A China produz roupa, mas não produz marca

Quando criança, ele vendeu dudu e cocada nas ruas de Santa Cruz do Capibaribe. Mal entrou na adolescência ajudou a mãe a confeccionar roupas. Hoje ele é dono de uma das maiores marcas de moda praia e street wear do Estado e planeja faturar R$ 40 milhões este ano. Conheça nesta entrevista a trajetória de sucesso de Arnaldo Xavier. Como foi ser criança e ter que trabalhar? Sou de uma família de cinco irmãos (eu, mais um homem e três mulheres). Sou filho de uma costureira e de um senhor que trabalhava na Prefeitura de Santa Cruz do Capibaribe. Em 1974, quando eu estava com 7 anos – sou o mais velho – e minha irmã mais nova tinha 8 meses, meu pai, aos 32 anos, faleceu. Deixou minha mãe viúva, aos 28 anos. A gente começou a ter muitas dificuldades porque todos os irmãos de minha mãe (que eram…

Compartilhe

Diego Nóbrega

O manguebeat contribuiu para o cinema descobrir o Recife

Com a mesma desenvoltura que circula entre diferentes ritmos para criar sua música, DJ Dolores transita com desembaraço em papéis distintos como o de documentarista, designer ou autor de trilha sonora. Misturar, ousar experimentalismos e se lançar em novos campos da arte sempre fascinou o sergipano Helder Aragão, que se tornou recifense, desde que aportou por aqui aos 18 anos. Nesta conversa, ele fala da cena mangue e sua influência, da relação com Kleber Mendonça Filho, dos planos na música e das investidas em produções para a TV. Por Cláudia Santos e Rafael Dantas Como foi ser criança em Sergipe? Nasci em Propriá, à beira do Rio São Francisco. Essa experiência ribeirinha foi importante pra mim porque a gente tinha muito contato com a natureza. Também tínhamos um certo culto à educação. A gente lia muito desde criança. A ideia de ler sempre foi muito presente na minha vida e…

Compartilhe

contato

Os campos acima em destaque são necessários