“Dunkirk” segue dividindo opiniões (Por Wanderley Andrade)

Divulgação

Christopher Nolan é o típico diretor cuja obra costuma dividir opiniões da crítica especializada. Para alguns, está entre os melhores da história do cinema, ao lado de nomes como Kubrick e Francis Ford Coppola. Para outros, é apenas mais um entre tantos que surgem em Hollywood com seus blockbusters caça-níqueis a tiracolo. Não poderia ser diferente com seu novo filme, Dunkirk, que estreou semana passada.

O longa conta a história de um incrível resgate realizado em Dunquerque, cidade portuária do norte da França, durante a Segunda Guerra Mundial. A França havia sido invadida pelos alemães, que encurralaram as tropas inglesas e francesas próximo ao canal costeiro de Calais. Mais de 300.000 soldados foram resgatados com o auxílio de embarcações civis, através da Operação Dínamo, encabeçada pela Grã-Bretanha.

dunkirk-3358x1406-army-tom-hardy-cillian-murphy-best-movies-12934

Dunkirk explora três perspectivas diferentes do fato histórico: o ponto de vista do Senhor Dawson, dono de um barco civil (Mark Rylance), de Ferrier, um piloto de caça inglês (Tom Hardy) e do soldado Tommy (Fion Whitehead) em sua luta pela sobrevivência. As histórias se entrelaçam, dando corpo e impulsionando a trama em uma narrativa não-linear, marca registrada dos filmes de Nolan.

Diferente de outras produções do mesmo gênero como Apocalipse Now ou o recente Até o Último Homem, Dunkirk não é um filme sangrento. Mais que corpos mutilados ou sangue espirrando na tela, impressiona a bela fotografia do suíço Hoyte Van Hoytema (Interestelar), que faz de algumas cenas pura poesia. Aliada ao excelente trabalho de mixagem de som, proporciona ao espectador a sensação de imersão no filme.

A trilha sonora composta por Hans Zimmer consegue ser genial em alguns momentos (indispensável, quase um personagem em cena), mas também incomodamente excessiva ou até desnecessária em outros. A parceria entre o compositor e Nolan já é antiga. Zimmer também compôs a trilha de outros sucessos do diretor, entre eles, a trilogia Cavaleiro das Trevas e Interestelar.

Dunkirk segue dividindo opiniões, ovacionado por uns e duramente criticado por outros. Mas basta uma breve consulta à história do cinema para encontrarmos filmes que, apesar das críticas negativas que receberam, passaram pelo crivo do tempo, tornando-se clássicos. Será esse também o destino de Dunkirk?

Compartilhe

Mais em Wanderley Andrade

0 Comentários

Deixe o seu comentário!