A última do português

Antigamente, as piadas eram de português, Juquinha e papagaio. Português burro, Juquinha safo e papagaio irreverente.
Juquinha era um garoto esperto da idade da gente, suponho, porque ainda estudava com professora e não com professor como os meninos mais velhos do ginásio.
“Quem desenhou isso aqui?” – a professora pergunta por perguntar, pois já sabia quem tinha desenhado o grande pênis no quadro-negro. “Vão todos para o recreio. Menos Juquinha!” – diz ela, trancando a porta da sala de aula. “Dessa vez, ele tá ferrado” – pensam os colegas. Passado algum tempo, abre-se a porta e sai Juquinha todo prosa, atacando a braguilha: “Nada como uma boa propaganda.”
O “currupaco, paco” pontuava a fala do irreverente e sacana papagaio de anedota. Brasileiríssimo. Tanto latia, imitando cachorro pra afugentar ladrão de galinha (bons tempos, aqueles, em que ladrões roubavam galinhas), quanto imitava a fala da empregada assediada pelo patrão, para denunciá-lo à esposa ameaçada de traição.
E a última de português, pá, é ganhar dinheiro da gente, os brasileiros sabidos das piadas de antigamente.
Seguinte. Os portugueses, que não são burros nem nada, preservaram suas cidades. Não uma ou outra, mas todas. Preservaram a história, os monumentos, casas, aldeias, ruas e becos. Preservaram sua identidade. Lá, há o que ver.
Aqui, nós, os remediados, moramos empoleirados em edifícios sem graça e os endinheirados vivem confinados em condomínios, ameaçados pela violência, resultante da brutal desigualdade social. Lá, moramos no primeiro andar de um sobrado. Compramos frutas e verduras na quitanda da esquina.
Hoje, quem tem uma graninha, não precisa nem ser muita, prefere ter uma casinha em Portugal a uma casa de campo ou de praia por aqui.
Se, nas férias, em vez de subir as Ruças (subir as “russas” também é bom, mas é outra coisa), você decidir subir para Montesinho, em Trás-os-montes, Norte de Portugal, vai gastar menos do que indo pra Gravatá, pá!
Em ’78, voltando para o Brasil depois de quatro anos em Londres, pensei ficar em Portugal. Portugal recém-saído da Revolução dos Cravos. Tudo era efervescência política e intelectual. Fim do salazarismo e libertação das colônias. Se tivesse encontrado com meu amigo Duda Guennes, que não estava em casa porque tinha viajado de férias, talvez tivesse ficado. A vida, por certo, teria sido outra.
Eu nem estaria aqui pra contar. E, no final das contas, sabe lá se teria sido melhor ou pior!
Sabe lá, pá!

Compartilhe

Mais em Joca Souza Leão

0 Comentários

Deixe o seu comentário!