Paulo Caldas

Divulgação

Da placidez à rebeldia do Velho Chico (por Paulo Caldas)

Um singelo arrazoado nostálgico, uma viagem a remo contra o rumo do Rio São Francisco, na busca inglória de subverter seu curso inexorável, é a missão literária de Marise Helena de Araújo no seu “Petrolina, cadê você, menina?”, 284 páginas, Editora Gráfica Franciscana. O texto resgata das margens do rio fatos e personagens fictícios ou não, vivenciados nos inesquecíveis anos de 1960 e 1970. Aos olhos do leitor são como uma película de cinema rodando ao contrário, feito as rodas de uma diligência nos antigos filmes em preto e branco. No conteúdo, a autora tece bordado que mescla trechos em prosa poética do drama ao risível com passagens pelo encantado, quando adere aos mitos ocultos nas profundezas do rio. Mas é na época da interminável Jovem Guarda que a correnteza de letras se mostra mais célere e o leito mais caudaloso. Os contos, quase crônicas e as crônicas quase contos,…

Compartilhe

Divulgação

As sutilezas de Andrea

As sutilezas da escrita, de todas elas, estão no A sutileza do sangue, de Andréa Ferraz, (Editora Coqueiro - 2016): um livro absolutamente visual que, mesmo após a leitura, faz as imagens permanecerem nos olhos do leitor. Ela concebe fatos, os mostra nos cenários e cria personagens pulverizados como se fossem jatos multicoloridos de sprays aspergidos sobre a superfície das lembranças. A linguagem é pura, direta, como deve ser a linguagem fluida da natureza áspera. E é alegre, irreverente, quando sugere situações propícias: “o ar do quarto abafado misturava couro curtido com perfume de mulher recém-casada”. A autora tempera o texto com condimentos nativos, untando a prosa de sabor e cheiro, oferecendo as delícias de iguarias que nunca saboreamos. Dessa arte, mostra virtudes além do apego às receitas do mestre Raimundo Carrero (mestre de tantos discípulos), quando esconde habilmente as tramas e atiça a percepção do leitor. No começo do…

Compartilhe

Divulgação

O traduzir dos sentimentos em Lunátipos

André de Sena é um desses autores que discorre sobre cenários e personagens com absoluta precisão. Em seu livro de contos Lunátipos - Edições Bagaço – 2014, é patente a observação. No conto História de Mar, por exemplo, assim destaca o protagonista em dado momento da narrativa em primeira pessoa: “Quando criança, eu descobri que de qualquer lugar da cidade poderia ver o mar. Aos poucos ele passou a olhar mais para mim do que eu a ele, gigantesca hidra cujos tentáculos de rios dominam a cidade e se espraiam pelo interior das residências e fui me incomodando com isso até ser envolvida pela gaze escura do medo”. Aqui combina com sutileza símile e metáfora com total consciência.   Ainda em História de Mar, adere ao imaginário discursando sobre sonhos assustadores, quando a colocação de cada palavra vislumbra sua função e o efeito compatível com a poética desejada. “Há uma…

Compartilhe

Foto: reprodução

Literatura e psicanálise de mãos dadas (por Paulo Caldas)

De repente, no final do ano de 2016, é lançada outra coletânea no cenário das letras pernambucanas - Escrituras III - Manuscritos de Viagem, organizada pela escritora Lourdes Rodrigues com textos dos participantes da Oficina de Criação Literária Clarice Lispector. Segundo ela, a oficina criada em 2006 no âmbito da Associação Traço Freudiano Veredas Lacaniana, escola de psicanálise, “mantém estreito vínculo entre a Literatura e a Psicanálise”. Ela conta com maestria o nascer, o crescer e o findar, no conto William Wilson de Edgar Allan Poe, “referência de estudos literários sobre o ‘duplo’, há mais de um século”. Nos textos bem elaborados, é visível a criatividade, virtude que não pode ser ensinada conforme a organizadora, “mas consegue se desenvolver por meio de desafios que impulsionam sujeito criador”, argumenta. Dentre os participantes da coletânea aparecem nomes já publicados, caso da própria Lourdes, de João Gratuliano e César Garcia. No conteúdo, o…

Compartilhe

Divulgação

Cerzidor de palavras (Por Paulo Caldas)

Comentar livro cuja apresentação tem a chancela de professores do naipe de Lourival Holanda e Zuleide Duarte é um verdadeiro desafio. Contudo, tornou-se uma tarefa prazerosa, considerando já conhecermos a destreza desse mestre da palavra chamado Sidney Rocha. No seu recém-lançado "Guerra de Ninguém" (Iluminuras 2016), o autor mostra-se, como de hábito, determinado, astuto e, sobretudo fiel ao binômio pensamento x escrita. Aqui, Rocha proclama independência formal e estética, que transcende limites da relação tempo e espaço, numa atitude ousada, virtude identificada e referida por Zuleide Duarte desde outras obras como "Matriuska", "O destino das Metáforas" e "Fernanflor": “A escrita de Sidney fala por si nesse nada generoso cenário da literatura brasileira”, afirma a professora. Na opinião do acadêmico Lourival Holanda, bem que se poderia definir Sidney Rocha pela lixeira do seu computador. “Ou pela frequência de toques na tecla delete: tão burilados estão os textos nesses contos, que o…

Compartilhe

Fernando Dourado Filho. Foto; divulgação

Nos Passos de Fiszel Czeresnia (Por Paulo Caldas)

São incontáveis os livros que enfocam a trajetória do autor. Textos memorialistas familiares, autorreferentes, espécies de odisseia de uma vida bem sucedida, seja no universo dos negócios ou a narrativa de currículos vitoriosos de um magistrado ou profissionais outros, Narcisos sem espelho, que tecem arrazoados cabotinos publicados quase sempre com títulos de parca imaginação. Existe até quem prefira relatos turísticos com abordagens superficiais vistos pelos olhos da vaidade Todavia, quem tiver nas mãos “Nos passos de Fiszel Czeresnia”, vai encontrar um texto légua e meia distante desses exemplos citados. O livro, de autoria do pernambucano radicado no mundo Fernando Dourado Filho, não obstante conter narrativas de fatos vivenciados pelo autor, mostra pelo seu olhar arguto, como define a orelha assinada pelo cientista político Luiz Felipe D'Ávila, as experiências de um garoto que cumpriu temporadas de estudos na Europa e que, aos 20 anos, já visitara trinta países e falava cinco…

Compartilhe

Legião Anônima: uma degustação do texto (Por Paulo Caldas)

Campo fértil à criação artística, Pernambuco sempre se destacou em todas as formas de expressão. No campo da literatura, por exemplo, a cada ano surge uma safra de bons frutos nesta “Roma de bravos guerreiros”: uns amadurecem no pomar da prosa, outros no dos versos, e até aqueles que frutificam dos dois lados, caso do escritor João Paulo Parísio. Este é um que pratica uma escrita nascida madura. No seu "Legião anônima" (Cepe Editora, 2014), está explícita tal constatação. Como bem observado pelo escritor Raimundo de Moraes, na orelha do livro, “Ao atender o convite de João Paulo Parísio, o leitor vai entrar nessa legião anônima de anjos que rastejam em sarjetas. Mulheres mortas que deslizam num rio igualmente cadáver, outras que se afogam no próprio desamor e homens de barro que podem desmanchar-se no rolar de uma lágrima”. No texto do livro é visível a destreza de Parísio no…

Compartilhe

Divulgação

Jabutis pernambucanos

Concebido para distinguir a excelência em produção literária no País, nos seus diversos gêneros, o Prêmio Jabuti, criado pela Câmara Brasileira do Livro, existe desde 1959 e já naquele ano premiava o escritor baiano Jorge Medauar na categoria contos e crônicas. A partir de então, o Jabuti premiou nomes reconhecidos e revelou outros tantos à literatura nacional, caso de Dalton Trevisan, Ricardo Ramos, Autran Dourado, Otto Lara Resende, Rubem Fonseca, Raduan Nassar, Fernando Sabino e Chico Buarque, só para citar esses e outros nomes de menor visibilidade caso de Elias José e Alcione Araújo, por exemplo. Dentre os pernambucanos, no ano de 2000 o prêmio distinguiu Raimundo Carrero com “As Sombrias Ruínas da Alma”. Em 2006 foi a vez de “Contos Negreiros”, de Marcelino Freire e em 2012 o vencedor foi “O destino das metáforas” do cearense que atua em Pernambuco Sidney Rocha. Na versão 2016, o romancista Raimundo Carrero…

Compartilhe

Divulgação

“O dito pelo não dito” (Por Paulo Caldas)

O ato da produção coletiva, quando ideias e ideais se unem tal siamesas de um só coração, vai além do apelo criativo, conteúdo e a estética: consolida também o mais puro sentimento de amizade e este quarto elemento serve de ingrediente sutil, um toque primoroso, para o resultado final da obra de arte. Reunir na dose certa esses elementos, como se fossem fogo, terra, água e ar, deu sabor à construção do livro "O dito pelo não dito" (Edições Bagaço-2016), coletânea temática sobre ditos populares, escrita por 23 autores, lançado em 20 de outubro passado, pelo selo Novo Cenário das Letras em Pernambuco, exclusivo das publicações da Oficina Literária Paulo Caldas. E sobre o conteúdo do livro, opina o escritor Rômulo César Melo:  “Qual a importância dos ditos populares no nosso dia a dia? Existe um peso sociológico que contribui para o comportamento das pessoas, a forma de conduzir seus…

Compartilhe

contato

Os campos acima em destaque são necessários